Acredite-se ou não, acontece ainda, com alguma frequência, pais conviverem com filhos toxicodependentes sem o saber. E este tipo de situação pode bater à porta de qualquer tipo de família, até da sua, infelizmente!

A toxicodependência é um assunto tão debatido que chegamos a cair no erro de considerar que nada mais há para aprender acerca dele. Porque será então que tanta gente continua a ser apanhada de surpresa com a notícia de que o filho, que vive sobre o mesmo tecto, consume drogas há já algum tempo (por vezes, anos!) ? Talvez ainda subsista um grande desconhecimento em relação ao problema ou até mesmo uma grande falha de comunicação que urge ser colmatada. Por acreditar que ainda há muito para dizer acerca do assunto e que, nomeadamente, pode-se expor algumas pistas reveladoras desta situação.

As principais drogas e os seus efeitos

Haxixe

(normalmente apelidado de “charro”, “joint”, “chamon”, “ganza”, etc)

Aspecto – pequena pedra de cor escura.
Formas de Consumo – fumado, misturado com tabaco, ou num cachimbo especial.
Efeitos – Quando consumido numa dose média, provoca uma perturbação progressiva das principais funções psíquicas (o estado de lucidez diminui, a distinção entre o real e o imaginário torna-se cada vez mais difícil, surge a falta de imaginação e a impossibilidade de concentração). Quando consumido em doses elevadas, as consequências poderão ser ainda mais graves: ilusões e, eventualmente, alucinações acompanhadas por sonolência ou até reacções de pânico. Por outro lado, os sintomas físicos são, também, frequentes: secura na boca, conjuntivite, aceleração do ritmo cardíaco e respiratório, dificuldade na coordenação dos movimentos, e, por vezes, náuseas e dores de cabeça.

Medicamentos Excitantes

(normalmente apelidados de “speeds”)

Aspecto – comprimidos
Efeitos – Muito utilizados pelos estudantes em épocas de exames, ou pelos praticantes de desporto, na busca de um efeito de excitação, perda de apetite e sono, têm efeitos secundários que pode ser irreversíveis na saúde mental de um ser humano. São eles: sentimentos depressivos, esgotamento físico e psíquico e, a longo prazo, mania da perseguição que pode ir até à doença mental irreversível, a chamada paranóia.

Medicamentos Calmantes

(normalmente apelidados de tranquilizantes, analgésicos ou soporíferos, ou mesmo de “drunfos”)

Aspecto – Comprimidos
Efeitos – O consumidor habitual poderá acabar por sofrer de perturbações do carácter, angústia, estado depressivo, ideias de perseguição, diminuição da memória e da concentração e, por outro lado, perturbações do apetite, da potência sexual, possível alteração do sangue, do funcionamento dos rins, do fígado e do sistema nervoso.

LSD

(pertencem ao grupo dos alucinogénos)

Aspecto – pó branco sem cheiro
Formas de Consumo – oralmente, numa mistura com açúcar ou em bebidas.
Efeitos – As drogas alucinogénas têm a capacidade de modificar o funcionamento cerebral. No caso concreto do LSD, os efeitos poderão passar por: modificações de humor (estados de euforia para fases de angústia ou pânico); perturbações das percepções sensoriais acompanhado de alucinações; e perturbações do estado de consciência, que provocam incapacidade de julgamento, de concentração e de diálogo. Mais grave ainda é o facto do LSD provocar estados patológicos transitórios – normalmente chamados de ‘bad-trip’ ou ‘flipar’. É o que acontece quando agrava ou reactiva estados depressivos que o individuo nem calcula possuir e que poderão mesmo levar ao suicídio.

Heroína

(pertencem ao grupo dos estupefacientes)

Aspecto – pó branco ou castanho-acinzentado
Formas de consumo – por via intravenosa, via nasal ou fumada.
Efeitos – A heroína é a droga que provoca a dependência física mais rápida e grave, e através da qual a morte por sobre-dosagem, embolia ou infecção acontece mais frequentemente. O consumidor procura nesta droga o chamado “flash” que é a sensação física e psíquica sentida no momento logo após o contacto com a substância. No entanto, esta sensação de euforia e bem-estar tem uma duração muito curta, já que se transforma muito rapidamente num mal-estar insuportável, numa angústia muito intensa ou, pura e simplesmente, numa apatia mais ou menos pronunciada. Pela rapidez com que a dependência física se estabelece, cedo o individuo encontra-se reduzido ao mais perfeito estado de escravatura.

Ecstasy

Aspecto – comprimidos de cor azul, usualmente chamados de “pastilhas”
Formas de consumo – por via oral, acompanhado por um líquido que não álcool (os seus consumidores sabem que a  mistura provavelmente seria desastrosa).
Efeitos – Tal como o LSD, o ecstasy é considerado uma droga psicadélica. Provoca euforia, “felicidade”, mas não provoca alucinações visuais. Para além disso, pode provocar complicações nos rins e coração, impotência ou frigidez, ataques de pânico e supressão das células cerebrais que, como se sabe, não são renováveis.

Cocaína

Aspecto – pó branco, amargo
Formas de consumo – por via nasal, por injecção intravenosa ou por via oral no caso do “crack”.
Efeitos – Excitante do sistema nervoso central, a cocaína é uma droga que provoca uma grande dependência psíquica, ou mesmo física, quando injectada. Dada a curta duração do efeito provocado e a necessidade de repetição do consumo, esta é chamada a “droga gulosa”. A utilização repetida provoca muito rapidamente a dependência e, frequentemente, um estado delirante com alucinações, que pode conduzir ao suicídio. Para além disso, são frequentes os tremores, tiques e perdas de apetite.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorComo POUPAR nos saldos!
Próximo artigoBullying – Um problema de todos

4 COMENTÁRIOS

  1. patricia

    estou passando por isso neste momento ,as vezes acho que não é verdade ,acho que nós mães nunca queremos acreditar que pode acontecer conosco,estou pedindo a DEUS que eu esteja enganada e tudo não tenha passado de minha imaginação

  2. Raquel

    Força Patricia. Também tenho um irmão nesta situação há mais de 10 anos, com curas e recaídas, e não é nada fácil, principalmente para uns pais que fazem de tudo, sem nunca pensar no abandono, para tentar ajudar. Mas é muito difícil, tem que partir deles. Os meus pais também nunca quiseram acreditar e o único conselho que lhe posso dar é que investigue e não deixe chegar ao ponto de total decadência. Muita força…

  3. DBR

    Acho bem que se aborde o tema sem deixar dúvidas aos país e familiares que estejam a passar por isso, mas sejam verdadeiros quanto ao comportamento e sintomas de algumas drogas de forma a não confundirem as pessoas??Porque será que países como a Holanda defendem o consumo de erva, sim erva, não estamos a referirmo-nos a quimicos e outros afins….Pior que qualquer droga é a ignorância !!! Ajudem quem de facto precisa e quer ser ajudado, e compreendam quem precisa da v/ compreensão!!

  4. Miluzinha - Blog | Benditas endorfinas!

    […] Imagem retirada daqui […]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here