Esgotamento, “doença dos nervos” ou depressão?

Esgotamento, “doença dos nervos” ou depressão? Mulheres são as mais afectadas…

A Organização Mundial de Saúde, prevê que a depressão seja a principal doença do século XXI, superando as doenças cancerígenas e cardíacas. Actualmente estima-se que uma em cada quatro pessoas se confronte com esta doença em algum momento da sua vida. As mulheres estão duas vezes e meia mais propensas a ter esta doença em comparação com os homens.

Frequentemente ouvimos alguém dizer: “estou com um esgotamento” ou “o meu problema é dos nervos”. A verdade é que uma boa parte das pessoas, principalmente as mulheres, que se sentem “esgotadas” camuflam, muitas vezes, uma depressão.

Maria, 38 anos, foi encaminhada pelo seu médico de família para a consulta de psicologia indicando estar com um esgotamento nervoso. As queixas apontavam para fortes dores de cabeça, dificuldade em dormir, sensação de vazio mental, desorientação, sensação de inutilidade, cansaço extremo e choro frequente.

Os sinais do famoso “esgotamento” cruzam-se com os da depressão, por isso, um “esgotamento” é no mínimo um sinal amarelo (a fugir para o vermelho) para perceber que algo não está bem. Esta era a situação de Maria.

Um “esgotamento” não tem de ser à partida, uma depressão considerada grave até porque a depressão manifesta-se e mascara-se de várias formas.

Para além dos sinais psicológicos de que algo não está bem (tais como a tristeza e a sensação de vazio, entre outras), podem surgir outro tipo de sinais através de algumas alterações manifestadas pelo nosso corpo, tais como o aparecimento de dores musculares, dores de cabeça recorrentes, perca/aumento de peso, por exemplo.

Oiça com mais atenção o seu corpo! Traduza o que ele que lhe quer dizer!

A depressão, por ser a principal causa de incapacidades nas pessoas, pelo elevado número de baixas médicas que acarreta e por ser das principais causas de aposentações precoces, não é demais informar e esclarecer quais os sintomas da depressão:

  • Humor depressivo durante a maior parte do dia;
  • Choro frequente;
  • Diminuição do interesse e do prazer em todas ou quase todas as actividades;
  • Perda ou aumento de peso (sem estar a fazer dieta);
  • Insónia ou hipersónia;
  • Agitação ou lentidão psicomotora;
  • Fadiga ou perda de energia;
  • Diminuição do interesse sexual;
  • Sentimentos de desvalorização;
  • Culpa excessiva ou inadequada (podendo ser delirante);
  • Alterações de pensamento, concentração e memória;
  • Indecisões constantes e sem razão de ser;
  • Sistema imunitário enfraquecido;
  • Pensamentos acerca da morte;
  • Tentativa (s) de suicídio.

Como se não bastasse, a melhor amiga da depressão é a ansiedade e vice-versa. Por este motivo, é comum as pessoas que vivenciam depressão terem níveis elevados de ansiedade.

Ao contrário de outras doenças, a depressão tem tratamento!

A eficácia da combinação entre a psicoterapia e os psicofármacos (antidepressivos) tem-se revelado bastante útil no tratamento da depressão, nomeadamente na depressão moderada e grave. Por um lado, a psicoterapia na compreensão mais profunda da causa da depressão, por outro lado os psicofármacos no tratamento neuro químico.

O risco de se optar pela utilização abusiva de antidepressivos é que se está a tratar a depressão superficialmente. É como colocar um “penso rápido” numa ferida activa. Por este motivo é que grande parte do doentes ao deixarem de tomar os “comprimidos milagrosos”, têm enorme probabilidade de recair e normalmente estas recaídas são mais severas.

Por estes motivos, na psicoterapia aprofunda-se de uma forma segura para a pessoa as causas do seu sofrimento emocional. Ao abrigo do sigilo e da confidencialidade são trabalhadas entre psicólogo e paciente questões que originaram a depressão. Olhar de frente para estas causas e compreendê-las internamente faz com que o tratamento da depressão seja assim mais duradouro e que a “ferida activa” seja finalmente estancada.

Não acredite em esgotamentos e muito menos em “doença dos nervos”!

Cuide si, valorize a sua Saúde Mental!

Sofia Soares Pereira

Psicóloga

www.sofiasoarespereira.com

 

17 comentários em “Esgotamento, “doença dos nervos” ou depressão?”

  1. Preciso de ajuda,não sei mais o que fazer,já fiz tratamento com psiquiatra,mas nada resolveu,me sinto cada dia pior,tomo rivotril e fluoxetina,mas não estão mais fazendo efeito algum.
    Sem falar que ganhei 20 kg em dois anos,isso acabou com minha auto estima…tem como me ajudar ?
    Preciso muito…aguardo resposta urgente…
    Obrigada.

  2. Eu estou a tratar d euma depressao desde janeiro e ja perdi 6kg.
    Estou numa clinica muito boa, a ser orientada pelo Psiquiatra Drº Nuno Goulão e um Psicologo a fazer psicoterapia., sugiro que procure a clinica genialmente. Bons Médicos

  3. estou,cansada sempre uma luta constante,para ñ cair entre enternamento e medicação,neste fase da minha vida estou a cair novamente,ñ aceito estou mt revoltada mais q as outras vezes,a medicação para dormir começa a ñ fezer efeito tomo seroquel100,topamax,alprazolam,flouxitina,victan sos ,por fim fiquei sem psiquiatra pq foi transferido para outro hospital,resumindo estou á espera q m chamem para outro medico a espera tem sido longa……

  4. Olá a todos!

    ESPERO QUE POSSA AJUDAR ALGUMAS PESSOAS COM O MEU TESTEMUNHO

    Tinha alguma tendência para depressão… consegui tirar curso superior mas devido a problemas emocionais e excesso de trabalho levou-me a um ESGOTAMENTO…nunca mais tive a mesma resistência mental/cognitiva e física… recorri a ampolas para esgotamento no Ervanária e que me ajudou durante alguns anos

    Com os filhos, com mt noites a dormir mal e com a exigência do trabalho… ao fim de 5 anos voltei a ficar ESGOTADA- NÃO CONSEGUIA QUE O CÉREBRO TRABALHASSE BEM, e ficava desesperada e deprimida…. passei a ser tratada por srs. DR. psiquiatras… fiquei drogada de antipressivos e comprimidos para dormir- trocavam e dobravam a dose e cada vez ficava MAIS ESGOTADA e desanimada… ao fim de 2 anos acharam que estava mal tratada e os srs. drs. acharam que talvez fosse bipolar… recusei ser intoxicada … as médicos não ouvem os doentes – apenas veem os sintomas!!

    Sofri MUITO!! porque sentirmos como se tivéssemos Alzheimer ao 40 anos, não é nada fácil, pq se o cérebro paralisar condiciona todo o nosso desempenho cognitivo, verbal, emocional…

    mas agora CONSEGUI PÔR MEU CÉREBRO A TRABALHAR … –> Cognicer

    através de uma jovem (um anjo) que tb teve esgotamento e me ter encaminhado para um médico — comecei tomar COGNICER injecções (compra-se farmácia 5€ , caixa 10 injeções) – protege e restaura a actividade cerebral- MELHORIA DA APRENDIZAGEM
    ao fim de 20 INJEÇÕES MEU CÉREBRO ESTÁ a trabalhar MUITO MELHOR, minha MEMÓRIA JÁ GRAVA infomações ao fim da 3 injeção já se senti algumas melhorias a nível cognitivo

    Quanto a sentir-me mais calma, mais positiva – estou a tomar do HIPERZAC (erva de S. João – melhor antidepressivo natural – na Alemanha 75% dos antidepressivos é a Erva de S.João !!! sabiam? – podem pesquisar e confirmar) – é mais caro – 120 cápsulas custa cerca 35€

    há 1 mês que Estou BEM melhor – meu desempenho profissional mt melhor – COMO É BOM SENTIR O CÉREBRO A FUNCIONAR ….

    durante quase 3 anos perdi a esperança em melhorar – MAS AFINAL HÁ ESPERANÇA …. recomendo muito COGNICER e HiperZAC

    Não desistam mesmo que todos não vos abandonem … com a vossa ajuda e com a fé de que Deus vos possa fazer perto de vós um anjo…

    E.T.R.O.

    1. Adorei o que li, estou a passar uma fase má e vou seguir algumas dicas que deu como a erva de s. João químicos não quero, vou conseguir sozinha, com desporto, com caminhadas, mas vou conseguir. bjs espero que esteja bem

  5. o meu esposo tem 42 anos tem atrofia celebial hoje nao dorme delira com formiga nao consegue anda so q tomba se extressa e nao se alimenta direito esta ficando muito magro
    preciso de ajuda

    meu esposo tem atrofia celebrial perdendo o equilibrio e muito peso com noçao infantil tem 42 anos casado

    1. o meu esposo tem 42 anos tem atrofia celebial hoje nao dorme delira com formiga nao consegue anda so q tomba se extressa e nao se alimenta direito esta ficando muito magro
      preciso de ajuda

      meu esposo tem atrofia celebrial perdendo o equilibrio e muito peso com noçao infantil tem 42 anos casado

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *